Autor FICE Brasil

porFICE Brasil

UNESCO – Três maneiras de planejar a equidade durante o fechamento das escolas devido ao COVID-19

Matéria original: acesse aqui.

Postado em 25 de março de 2020 por GEM Report.

Tradução livre do original: Three ways to plan equity during the coronavirus school closures

Stefania Giannini

Diretora Geral Adjunta de Educação da UNESCO

Suzanne Grant Lewis

Diretora da UNESCO-IIEP

Desde o fechamento de escolas e o confinamento em casa até a proibição de viajar, países e municípios estão intensificando os esforços para retardar a disseminação do novo coronavírus, o COVID-19. Para a educação, as ramificações resultaram em um número recorde de crianças, jovens e adultos que não frequentam escolas ou universidades.

A UNESCO estima que, em 24 de março, 138 países  fecharam escolas em todo o país, impactando mais de  1,3 bilhão de crianças e jovens . Outros 11 países  implementaram fechamentos de escolas em alguns locais. Nas semanas seguintes, isso criará grandes desafios em torno da equidade: como os alunos mais vulneráveis ​​se sairão quando as escolas estiverem fechadas?

 

Compreensão dos riscos de fechamento de escolas para os mais vulneráveis

As autoridades de saúde de todo o mundo consideram necessário o fechamento das escolas no contexto desse vírus que se espalha rapidamente, tanto para retardar a propagação da doença quanto para mitigar os efeitos nos sistemas de saúde que não serão capazes de lidar com um número potencialmente massivo de pacientes gravemente enfermos. Em alguns contextos, o confinamento está se tornando não apenas um ato de solidariedade civil, mas uma medida imperativa para proteger a saúde pública.

No entanto, o confinamento e o fechamento de escolas geralmente têm consequências a longo prazo, especialmente para os mais vulneráveis ​​e marginalizados, aumentando as disparidades já existentes no sistema educacional. Além das oportunidades perdidas de aprendizado, muitas crianças e jovens perdem o acesso a refeições saudáveis ​​e estão sujeitas a estresse econômico e social.

 

Planejando o fechamento das escolas com atenção à equidade

É essencial levar em consideração os riscos de exacerbar disparidades, e já existem lições da crise global do COVID-19:

1) Combater a exclusão digital

Como muitos sistemas escolares estão oferecendo modalidades de aprendizagem online enquanto as escolas estão fechadas, é imperativo combater a brecha digital para avançar. Isso inclui analisar questões relacionadas ao acesso, preparação dos professores e comunicação entre a escola e a família. Antes e depois do encerramento da escola, as parcerias público-privadas podem ajudar a garantir que todos os alunos tenham acesso à tecnologia da informação ou a modalidades de rádio e televisão que também são relevantes em alguns contextos e que foram usadas com sucesso em situações de crise.

Treinar professores para usar sistemas de gerenciamento de aprendizado digital e pedagogia de aprendizado online – antes das crises – é essencial para a transição para uma modalidade de aprendizado online durante um período de crise. No entanto, para professores que se encontram em território desconhecido, pode ser organizada uma breve sessão de treinamento transmitida ao vivo. Estabelecer linhas de comunicação entre professores e pais antes das crises e mantê-las à medida que as crianças aprendem em casa também é essencial para apoiar as crianças com maior risco.

2) Garantir refeições saudáveis ​para além das escolas

Soluções para alcançar estudantes que dependem de refeições escolares também são importantes. Muitas lições podem ser fornecidas no blog que a UNESCO escreveu ontem sobre as abordagens de diferentes países. As estratégias podem incluir a mobilização de ônibus escolares para fornecer refeições na escola e o estabelecimento de parcerias com serviços de entrega de alimentos. Trabalhar com as autoridades de nutrição e administração para fornecer refeições diárias preparadas que podem ser distribuídas via drive-thru ou walk-up é outra solução inventiva usada atualmente em San Diego, Estados Unidos.

3) Planejar soluções de aprendizado inclusivas

As autoridades educacionais também devem ter um cuidado especial ao planejar as diversas necessidades de todos os alunos durante o fechamento da escola. Isso é fundamental para os alunos com dificuldades de aprendizado, que podem ter dificuldades para trabalhar de forma autônoma e à distância. Pode ser desejável manter oportunidades mínimas para a aprendizagem em sala de aula, com pequenos grupos de alunos com necessidades especiais. Também pode ser necessário fornecer aprendizagem online individual direta por meio de check-ins diários com professores e videoconferência com outros alunos, assim como o fornecimento de recursos para pais e cuidadores que assumem o papel de professor durante o fechamento da escola.

O apoio da UNESCO aos governos ao implementar o fechamento de escolas

A UNESCO fornece orientação para apoiar os sistemas educacionais durante essa crise, à medida que passam da aprendizagem tradicional para a digital e fornece recursos educacionais digitais gratuitos e um repositório de plataformas nacionais de aprendizagem projetadas para apoiar a continuidade do estudo baseado em currículo. Mais informações sobre a resposta da UNESCO à crise do COVID-19 estão disponíveis aqui.  

Por meio do Instituto Internacional de Planejamento Educacional (IIEP), ele também fornece às autoridades educacionais cooperação técnica para um planejamento sensível a crises. Isso pode ajudar a enfrentar todos esses desafios relacionados à oferta equitativa de educação em tempos de crise. Esse planejamento não apenas ajuda a salvar vidas; ele pode reduzir os custos de recuperação, já que funcionários e parceiros da educação antecipam riscos e agem com antecedência.

No entanto, esse planejamento não deve ficar parado com correções de curto prazo. Deveria avançar para uma prática sistemática de prevenção e preparação para crises. Para os sistemas escolares, isso significa não apenas responder aos desafios do dia, mas também trabalhar para impedir, antecipar, mitigar e se recuperar de crises, tanto na educação quanto através dela.

porFICE Brasil

Cuidando das emoções: Ajudando seu filho em tempos de crise

Cuidar das emoções das crianças e dos adolescentes que estão em família e fora dela é essencial. Em tempos de crise a assistência e a promoção da saúde mental incluem ações que possam diminuir os sentimentos de medo, insegurança e ansiedade com interações responsivas e lúdicas que renovem o direito ao brincar a a segurança afetiva.

Esta cartilha traz orientações sobre estratégias de regulação emocional na infância em momentos de crise. De
forma prática e objetiva descreve situações desafiadoras do dia a dia associando a informações educativas sobre
cada uma das emoções e o que fazer para sua melhor regulação.

Acesse a cartilha completa clicando aqui ou na imagem.

 

porFICE Brasil

CONVOCAÇÃO

CONVOCAÇÃO

Para crianças e adolescentes

SONHOS E HISTORIAS DE QUARENTENA

  A ONG – Corporação de Promoção e Apoio à Criança Paicabí é uma instituição não governamental e sem fins lucrativos localizada em Viña Del Mar, no Chile, cuja  missão institucional é a promoção, proteção e defesa das crianças no âmbito da Convenção Internacional dos Direitos da Criança.

Em seu trabalho, a ONG Paicabí aborda as mais graves violações de direitos que afetam meninos e meninas, sendo sua principal preocupação criar uma plataforma de trabalho e ação contra maus-tratos, abuso sexual, exclusão social e exploração sexual comercial que afeta crianças e jovens.

Para isso, Paicabí realiza intervenções especializadas e ações promocionais no campo dos direitos da criança e do adolescente e também com a geração de conhecimento tendo a arte e a cultura como tema transversal.

Estamos vivendo uma situação de isolamento social no país e no mundo por causa de uma pandemia, isto é, quando uma epidemia se alastra por todos os continentes.

Convidamos meninos, meninas e adolescentes a relatar histórias do que estão vivendo em suas casas ou nos serviços de acolhimento em relação ao distanciamento de seus amigos e da escola.

  • O relato deve conter um pequeno texto e um desenho- ou pintura numa única folha.
  • Ao terminar, deve ser fotografado ou escaneado para que possa ser enviado de forma digital
  • Os trabalhos serão publicados num álbum digital em nosso site e redes sociais.

FORMATO

Extensão: Uma folha  (carta, oficio).

PARTICIPANTES

Podem participar todas os meninos, meninas, adolescentes e jovens menores de 18 anos residentes no Chile ou em outros países, como o Brasil.

ENVÍO

O prazo de envio é o dia 30 de abril..

Os relatos devem ser enviado em formato digital (formato Word, jpg, pdf, etc) ao correio eletrônica ( email: arteycultura@paicabi.cl)

O texto do email deve conter:

Dados da criança, adolescente ou jovem

  • Nome:
  • Idade:
  • …….. Cidade…………..
  • Bairro onde mora: …………
  • País:
  • Título do relato:

 

ORGANIZAÇÃO RESPONSÁVEL:

ONG Paicabi

https://paicabi.cl

CONSULTAS Y CONTACTO

Christian Carrillo Cáceres.

Encargado de Arte y Cultura de ONG Paicabi.

Correo electrónico: c.carrillo@paicabi.cl

 

 

porFICE Brasil

Curso EAD sobre as Diretrizes da ONU para Cuidados alternativos

En todo el mundo, por varias razones, cientos de miles de niños no pueden vivir
con sus padres. Las Directrices sobre las Modalidades Alternativas de Cuidado de
los Niños de la ONU establecen principios para las políticas y las prácticas
adoptadas mundialmente, para ayudar a abordar este tema. El año 2019 marca una
doble celebración: el 30° aniversario de la Convención sobre los Derechos del Niño
y el 10° aniversario de las Directrices. Es la ocasión perfecta para participar en este
curso abierto masivo gratuito (MOOC) que profundiza la puesta en práctica de
las Directrices de la ONU.
Disponible en inglés, francés y español, el curso tendrá lugar por cuarta vez desde
su desarrollo. Está abierto a toda persona interesada o involucrada en el cuidado de
los niños.

 

Clique aqui e confira

porFICE Brasil

“Uma revisão como nenhuma outra”: colocar o amor no coração do sistema de assistência

Artigo escrito por nosso amigo especial Jim Anglin, reconhecido especialista canadense na atenção e educação de crianças e adolescentes mais vulneráveis, que conhecemos nos Seminários e Encontros de FICE INTERNATIONAL, é resultado de uma análise feita por ele sobre uma mudança no Sistema de Assistência Social da Escócia, que declara a intenção de “colocar o amor no coração do sistema de assistência” daquele país. No momento em que precisamos defender direitos no Brasil, o texto nos sensibiliza a manter nosso senso crítico afinado, mas a apontarmos sempre a necessidade de recuperarmos a dimensão humana do cuidado para que a ética da justiça não endureça a ação cotidiana junto às crianças e adolescentes, cuja demanda de afeto e pertencimento é cada vez mais urgente. A leitura desta reflexão crítica de James Anglin é reveladora da complexidade do atendimento na proteção social de crianças e adolescentes afastados dos cuidados parentais e das oscilações, avanços e recuos que a política pública apresenta em todos os países do mundo.

 

porFICE Brasil

Diretora Executiva do CELCIS – Abertura V Seminário

Jennifer Davidson’s  Diretora Executiva do Centro Escocês de Excelência para o Atendimento de Crianças (CELCIS), fala na abertura do V Seminário – Qualidade dos Serviços de Acolhimento de Crianças e Adolescentes: Desafios e Possibilidades.

porFICE Brasil


Orientando meninas: Um manual para as mães refugiadas recém-chegadas e suas filhas abordando o olhar sobre as meninas nos Estados Unidos. O livro incentiva a comunicação entre mães e filhas, afim de estimular o espírito de apoio a meninas que fazem a transição para a vida adulta, para que assumam sua feminilidade de uma forma segura e saudável.

Bridging Refugee Youth and Children’s Services (BRYCS)

porFICE Brasil

Caring for Children Moving Alone: Protecting Unaccompanied and Separated Children

This course explores how to offer the best possible alternative care, protection and support to unaccompanied and separated children on the move.
This is a new, unique course, delivered on the award-winning FutureLearn digital platform.
It is a free six week online course.
The course is available in English, Spanish, French and Arabic.
The first run of the course begins on May 27 2019.
The course is available at www.futurelearn.com/courses/caring-for-children-moving-alone
Information on the project behind this unique new course is available at: www.childrenonthemovemooc.com

It has been created with the support of a number of international agencies who are members of the Geneva-based Taskforce for Children on the Move*, and is sponsored by the Taskforce to enable all learners to achieve a certificate of the completion of their learning free of charge.

*Membership of the Taskforce is comprised of international agencies who work together on initiatives to promote the protection and care of children around the world: Better Care Network; CELCIS; Global Partnership to End Violence Against Children; Hope and Homes for Children (HHC); International Detention Coalition (IDC); International Federation of Educative Communities (FICE); International Federation of Red Cross and Red Crescent Societies (IFRC); International Federation of Social Workers (IFSW); International Organisation on Migration (IOM); International Social Service (ISS); Latin American Foster Care Network (RELAF); Save the Children; SOS Children’s Villages International; Terre des hommes (TdH); United Nations High Commissioner for Refugees (UNHCR). and United Nations Children’s Fund (UNICEF).

Over the six weeks, learners will explore:
1) The reasons unaccompanied and separated children are on the move and the risks they face
2) The importance of alternative care and the protection it can provide for unaccompanied and separated children
3) How to assess the individual needs, circumstances and wishes of each child and identify the most suitable form of alternative care, protection and other services that meet their best interests
4) What is suitable and unsuitable alternative care
5) The importance of working within national child protection systems
6) The importance of co-ordination and co-operation between different professions and different organisations.


What learners will achieve
By the end of the course, learners will be able to:
• Identify the specific risks, vulnerabilities and support needs of unaccompanied and separated children on the move and the application of different appropriate responses
• Apply the content and meaning of relevant international and national legislation and agreements
• Explore the principles outlined in the UN Guidelines for the Alternative Care and discover how suitable care can contribute to the protection of children
• Identify a range of promising practices in relation to suitable alternative care settings that meet the needs, wishes and circumstances of each individual unaccompanied and separated child on the move.

Who the course is for
The course is freely accessible for anyone with any other responsibility or, interest in, unaccompanied and separated children.


This course will be of particular interest to practitioners and policy makers from State and non-State bodies and all those who are working and, in contact with, unaccompanied and separated children on the move as well as children on the move at risk of family separation. This includes frontline professionals and volunteers working directly with children and making decisions on his or her behalf, for example:


• those working within humanitarian organisations (staff and volunteers)
• social workers
• para-social workers
• community support workers
• child protection professionals
• teachers
• government officials (e.g. border staff and migration officers)
• lawyers
• psychologists
• medical workers
• members of the judiciary
• care workers


This course is also appropriate for policy and other decision makers – including political stakeholders –working at an international, regional, national and local level.

porFICE Brasil

Biblioteca Digital Crescer Sem Violência

 A Biblioteca Digital Crescer Sem Violência fornece subsídios para a Formulação de Políticas Públicas para a Infância e Adolescência. É uma iniciativa do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) em parceria com a Associação dos Pesquisadores dos Núcleos de Estudos e Pesquisa sobre a Criança e o Adolescente (NECA). Visite ainda hoje a Biblioteca e veja a seleção de guias, vídeos e publicações selecionadas nos temas: Trabalho infantil, Violência contra a criança e o adolescente, Acolhimento Institucional e Familiar, Atendimento socioeducativo, Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, conselho Tutelar e Ações de prevenção e atuação nas situações de desastres.

Veja tudo isto no link: http://bibliotecacrescersemviolencia.org/

porFICE Brasil

CELCIS

CELCIS – Centro de Excelência Escocês para o trabalho com Crianças está localizado na Universidade de Strathclyde, em Glasgow. Sua intenção é a de produzir insumos para promover melhorias positivas e duradouras no bem-estar de crianças, jovens e famílias que vivem nos limites dos cuidados, na Escócia e no mundo. Crianças que, sem nenhuma culpa, não são capazes de desfrutar das mesmas experiências e resultados positivos que muitos dos seus pares. Estabelecem parcerias para alcançar uma mudança eficaz, duradoura e positiva em toda a linha de cuidados, com uma abordagem de implementação inovadora e baseada em evidências.

Veja mais em: https://www.celcis.org/