Categoria Notícias

porFICE Brasil

Abracionices

Um livreto dos abraços para professorxs das infâncias em tempos de recolhimento

Desenvolvido pelo Grupo de Estudos e Pesquisas da(s) Infância(s), Formação de Professores e Diversidade Cultural
UERJ – Faculdade de Formação de Professores – São Gonçalo – RJ (gifordic@gmail.com)

PARA INÍCIO DE CONVERSA, É MUITO BOM A GENTE IR SE APRESENTANDO! SOMOS UM GRUPO DE PESQUISA, FORMADO MAJORITARIAMENTE POR MULHERESPROFESSORAS QUE TRABALHAM E PESQUISAM INFÂNCIAS, FORMAÇÃO DE PROFESSOR/AS E DIVERSIDADE CULTURAL. E ASSIM COMO VOCÊS, TAMBÉM ESTAMOS EM ISOLAMENTO SOCIAL HÁ QUASE TRÊS MESES. E FOI PENSANDO EM “NOSOTRAS” , E NO ESTRANHO TEMPO QUE O COVID-19 VEM NOS EXIGINDO A SEGUIR E A RESISTIR,
(TEMPO QUE ATÉ PARECE QUE A TERRA PAROU DE GIRAR, COM CERCA DE MAIS DE 191 PAÍSES DO MUNDO PRATICAMENTE “EM CASA” , COM ESCOLAS , UNIVERSIDADES, CRIANÇAS, JOVENS E  PROFISSIONAIS SEM ESTUDAR E/OU TRABALHAR), QUE ESCREVEMOS ESSE LIVRETO – “ABRACIONICES”” – NOS COLOCAMOS AO SEU LADO, DESEJANDO CONVERSAR, BATER PAPO,
TROCAR IDEIAS, E SOBRETUDO LHE ABRAÇAR E DIZER QUE ESTAMOS PERTO, JUNTAS NA LUTA PARA QUE A ALEGRIA, A NOSSA FORÇA MAIOR, NÃO NOS ABANDONE NESSE MOMENTO DE TANTAS ADVERSIDADES.

VAI PASSAR!

Para download clique aqui

porFICE Brasil

Learn how to adapt child protection case management during Covid-19

Gostaria de compartilhar com você uma oportunidade de treinamento gratuito sobre o tópico “COVID-19: Adaptando o gerenciamento de casos de proteção à criança”, que melhorará sua compreensão dos riscos e vulnerabilidades elevados de proteção que as crianças enfrentam em todo o mundo durante o COVID-19 pandemia.

Você aprenderá como adaptar o gerenciamento de casos de proteção à criança e descobrirá por que é vital que os assistentes sociais e outros provedores de serviços trabalhem em parceria para garantir que haja uma resposta coletiva à proteção de uma criança.

O curso fornecerá exemplos de práticas promissoras e estimulará o intercâmbio de idéias e experiências entre alunos de todo o mundo.

Quais tópicos você abordará?

  • Compreensão dos riscos, vulnerabilidades e desafios adicionais da proteção à criança que surgem como resultado da pandemia do COVID-19.
  • Exemplos de como o gerenciamento de casos de proteção à criança está sendo adaptado durante a pandemia do COVID-19.
  • Compreender a importância da equipe da linha de frente trabalhando em conjunto entre os setores e com os órgãos comunitários de proteção infantil para atender às necessidades de proteção das crianças através de uma abordagem de gerenciamento de casos de proteção infantil durante a pandemia do COVID-19.
  • A importância de manter a segurança e o bem-estar de todos os envolvidos na proteção e cuidado das crianças.
Este curso foi possibilitado pela
  • Força-Tarefa MOOC do COVID-19 Case Management:
  • Centro de Excelência em Cuidados e Proteção à Criança (CELCIS)
  • Esperança e Casas para Crianças (HHC)
  • Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (IFRC) Federação Internacional de Assistentes Sociais (IFSW)
  • Serviço Social Internacional (ISS)
  • Rede Latino-Americana de Assistência Social (RELAF)
  • Aldeias Infantis SOS Internacional
  • ACNUR
O curso está disponível em inglês, francês, espanhol e árabe.
Inscreva-se no curso gratuitamente: https://www.futurelearn.com/courses/covid-19-adapting-child-protection-case-management

Sinta-se à vontade para compartilhar essas informações com seus membros nacionais ou qualquer participante em potencial.
porFICE Brasil

Saúde Mental e Atenção Psicossocial na Pandemia COVID-19

O presente documento é direcionado a gestores e profissionais de saúde dos sistemas prisional e socioeducativo e tem por objetivo reunir as informações disponíveis até o momento sobre a pandemia da COVID-19 nas instituições de privação de liberdade do Brasil e seus impactos na saúde física e mental de pessoas encarceradas e cumprindo medidas socioeducativas, trabalhadores das unidades prisionais e profissionais do sistema de garantias de direitos, bem como reunir orientações para prevenção, cuidado e atenção psicossocial.

Material para download (Cartilha_pop_privada_liberdade)

 

porFICE Brasil

O que acontece quando o tempo fora da escola é o tempo de todos?

Publicado originalmente no Fórum para o Investimento da Juventude, USA. O Fórum para o Investimento Juvenil é um esforço de ação que trabalha com líderes nacionais, estaduais e locais em mais de 35 estados. O Fórum tem mais de 50 funcionários e dezenas de consultores associados aos dois escritórios principais em Washington, DC e Ypsilanti, Michigan.

Karen Pittman [1]

Tradução e adaptação: Isa Guará

30 de março de 2020

 

As famílias que se consideravam econômica e socialmente seguras agora estão se perguntando como gerenciar a segurança de coisas que eles davam como garantidas: escolarização, assistência infantil, assistência médica, refeições. O estresse daqueles a quem essas necessidades fundamentais nunca foram atendidas é quase inimaginável.

Ainda há adultos que trabalham em vários empregos e não podem trabalhar em casa. Que não tem os recursos, o espaço, nem a flexibilidade para criar ambientes de aprendizado em suas casas para crianças e jovens que, de repente, não estão na escola. Essas famílias vivem em bairros cujas escolas não estavam preparadas para oferecer aprendizado online. Justamente nestes bairros, os programas pós-escola e a comunitários operam com orçamentos apertados.

Passei um tempo na semana passada ouvindo colegas de organizações sem fins lucrativos em todo o país que estão compartilhando histórias sobre como estão ajudando e aprendendo com sua equipe nacional, afiliadas, parceiros ou escolas locais e com a equipe local, jovens e famílias nos locais onde atuam. Todos se ajustam a esse novo normal. O estresse nesse setor é real, mas as respostas são incríveis, pois muitas dessas organizações lutam para ajudar famílias e escolas a descobrir o que acontece quando o tempo fora da escola é o tempo todo.

O que acontece quando o tempo fora da escola é o tempo todo?

Esses funcionários e organizações estão justamente focados no presente. As regras para eles não são tão claras quanto as das escolas. E há pouco ou nenhum recurso paliativo. Neste blog, no entanto, quero olhar um pouco para o futuro.

O verão está chegando. Uma época em que as escolas costumam diminuir e as famílias, organizações juvenis e empregadores se intensificam. Uma época em que a falta de financiamento público para o aprendizado de verão exacerba as diferenças de recursos escolares, familiares e da vizinhança. Uma época em que o crescimento da lacuna entre matemática e leitura de alunos pobres e abastados é tão esperada que tem um nome – perda de aprendizado no verão. Também é o momento em que muitos estudantes procuram emprego e estágios e os que mais se beneficiariam têm menor probabilidade de encontrá-los.

O que acontecerá este ano? Os prefeitos e os sistemas escolares chamarão a atenção no verão se o hiato durar até a primavera? As famílias desesperadas por ajuda encontrarão as opções de verão diminuídas devido a demissões e fechamento de organizações sem fins lucrativos? Espero que não. Temos a oportunidade de planejar e investir em atividades de aprendizado de verão que refletem verdadeiras parcerias entre famílias, escolas e organizações comunitárias e respondem às necessidades muito diversas e reais que nossas crianças e jovens terão com base em suas experiências.

Temos a oportunidade de destacar algumas das lições sobre o aprendizado que o COVID-19 está tornando mais visível:

1) O coronavírus nos lembra que somos todos aprendizes. Crianças e adultos estão sendo solicitados a absorver novos conhecimentos e a usá-los rapidamente para se adaptar, responder e contribuir de maneiras novas e autênticas. O rápido aprendizado em lares em todo o país vai muito além de dicas de como “educar” nossos filhos. Bom ou ruim, crianças e adultos estão processando conjuntamente experiências, testando e desenvolvendo habilidades e, esperançosamente, ganhando confiança em sua capacidade de prosperar em tempos de incerteza.

2) Isso nos lembra que a aprendizagem e a escolaridade são diferentes. A aprendizagem é um ato contínuo e auto-iniciado de processamento social, emocional e cognitivo. A capacidade dos humanos de aprender e se adaptar, e não apenas reagir, é o que os ajuda a prosperar, não apenas a sobreviver. As escolas ajudam os alunos a desenvolver essas habilidades e aplicá-las ao domínio do conteúdo acadêmico. Mas essas habilidades, uma vez dominadas, contribuem para a capacidade dos jovens de tomar decisões, gerenciar adversidades e ter um forte senso de identidade em todas as áreas da vida.

3) Isto nos lembra que as escolas fazem muito mais do que apoiar o aprendizado acadêmico. As boas escolas são, antes de tudo, boas comunidades ricas em relacionamentos. Quando as escolas fecharam, os jovens perderam a conexão não apenas com a instrução acadêmica sequenciada, mas com uma comunidade complexa composta por normas, rotinas, relacionamentos, responsabilidades e serviços. As respostas atuais estão focadas no primeiro e no último deles (aprendizado online e refeições saudáveis). Substitutos para a comunidade são igualmente importantes.

4) Isso nos lembra que a aprendizagem não acontece apenas nas escolas. A frase “ a aprendizagem acontece em qualquer lugar e a qualquer momento” é mais do que uma referência à tecnologia. Ele fala sobre o enorme número de adultos que compartilham a responsabilidade pela educação e bem-estar de nossas crianças e adolescentes. É fácil esquecer isso quando a principal mensagem que recebemos como pais e contribuintes é que nossa principal contribuição para a educação é enviar nossos filhos para a escola. Porém, os alunos passam anualmente apenas 1.000 de suas 6.000 horas de vigília na escola, e nem todas essas horas estão em aulas acadêmicas. Algumas horas são gastas em lanchonetes, bibliotecas, enfermarias, playgrounds. Os afortunados o suficiente para encontrar e pagar acomodações apropriadas passam quase o mesmo tempo em programas de aprendizado de pré-escola, pós-escola e verão. Um terço dos adolescentes de 16 a 19 anos tem emprego. A maior parte do tempo restante é gasta informalmente com outros adultos, amigos, familiares, gente dos bairros e cuidadores informais; com colegas; ou sozinho.

O rápido fechamento das escolas em todo o país exigiu uma abordagem  do tipo “todos de mãos dadas” para garantir que crianças e jovens tenham lugares para estar, coisas para fazer e a proteção de adultos onde podem se hospedar durante o dia. Mas eles também levaram a uma enxurrada de planilhas, pacotes de instruções online e planos de aula enviados por e-mail pelas escolas para ajudar os adultos que cuidam – pais, familiares, irmãos mais velhos, educadores sociais – a preencher o vazio.

Por quê? Porque o plano emergencial ainda pensa em equiparar educação com escolaridade, escola com aprendizado, aprendizado com acadêmicos e acadêmicos com professores certificados. Ao fazer isso, subestimamos o papel das escolas e dos professores certificados na educação das crianças e, ao mesmo tempo, subestimamos os papéis de outros ambientes e de outros adultos competentes, atenciosos e comprometidos em suas vidas. As escolas são estruturadas para consistência e escala. Famílias e organizações locais de atendimento a jovens não o são. Essas configurações oferecem oportunidades diferentes, mas igualmente valiosas, para o aprendizado engajado.

Não há dúvida de que as escolas às quais os alunos retornarão serão diferentes. Os líderes das escolas já estão pensando nos impactos do estresse e do isolamento social nos alunos. Mas não há garantia de que os adultos e as organizações que se mobilizaram durante o hiato da quarentena serão totalmente incorporados ou, estarão totalmente disponíveis (o centro de desenvolvimento infantil que minha filha ajudou a iniciar está passando por suas reservas em um esforço para atrasar as demissões de funcionários).

O aprendizado acontece em todos os lugares. A equidade educacional, portanto, não pode parar nas portas da escola. Então, vamos ver esse desafio como uma oportunidade de embaçar as linhas e reforçar as conexões entre formal e informal; acadêmico e social e emocional; na escola e fora da escola; professores certificados e profissionais da escola e da comunidade.

Vamos usar o verão para imaginar o que pode parecer uma verdadeira parceria entre escolas, famílias e organizações locais. Vamos obter professores certificados e formar uma equipe trabalhando junto com profissionais, voluntários e famílias fora do horário escolar. Vamos aumentar a diversidade não apenas de onde e quando as atividades de aprendizagem acontecem (com ênfase renovada no exterior), mas também de quem está envolvido e o que é oferecido (equilibrando a mediação com os interesses dos jovens). E, o mais importante, vamos adotar definições universais de qualidade da configuração da aprendizagem que reflita as lições aprendidas durante o isolamento social: relacionamentos são importantes, segurança e pertencimento, atenção às necessidades individuais, assuntos ricos, rigorosos e relevantes e, por último, mas não menos importante, oportunidades para agir e refletir de maneira a fortalecer as habilidades e atitudes dos jovens para se sentirem confiantes.

Acesse o texto original clicando aqui.

[1] Karen Pittman é Co-Fundadora, Presidente e CEO do Fórum for Youth Investiment.  Fez carreira na criação de organizações e iniciativas que promovem o desenvolvimento da juventude – incluindo o Fórum de Investimentos Juvenis, que co-fundou com Merita Irby em 1998. Socióloga e líder reconhecida no desenvolvimento da juventude, Karen iniciou sua carreira no Urban Institute, realizando estudos sobre serviços sociais para crianças e famílias. Mais tarde, mudou-se para o Fundo de Defesa da Criança, lançando suas iniciativas de prevenção de gravidez na adolescência e ajudando a criar sua agenda de políticas para adolescentes. Em 1990, tornou-se vice-presidente da Academia de Desenvolvimento Educacional, onde fundou e dirigiu o Centro de Desenvolvimento de Jovens e Pesquisa de Políticas e seu spin-off, o Instituto Nacional de Treinamento para o Trabalho Comunitário da Juventude.

porFICE Brasil

Roda de Conversar sobre o Acolhimento Institucional e Familiar em tempos de COVID-19

É possível assistir pelo Youtube da FECAM a Roda de Conversa sobre os Serviços de Acolhimento para Crianças e Adolescentes em Tempos de COVID -19 que ocorreu no dia 29 de abril, com diversas participantes, dentre elas, Alice Bittencourt – associada do neca.

Acompanhe toda a discussão clicando aqu,

 

 

porFICE Brasil

Meu caderno da Quarentena

O meu Caderno da Quarentena é uma iniciativa da ONG Lifebook for Youth. É uma atividade divertida para as crianças AGORA e um lembrete valioso para APÓS. A Lifebook for Youth é uma organização internacional que reúne instituições parceiras de várias partes do mundo com o objetivo de conscientizar as crianças sobre seus aspectos e características positivas, bons eventos, bem como bons encontros com as pessoas em suas vidas para deixá-las sentir suas próprias forças e recursos.

O LIVRO DA VIDA EM QUARENTENA oferece uma oportunidade de expressão sobre suas vidas em um ambiente protegido. Embora o Lifebook tenha um foco exclusivo em aspectos positivos, muitas memórias dolorosas também são expressas. Os países que já o divulgaram viram que as crianças cresciam e carregavam seu Livro de Vida com orgulho ao final do trabalho.

FICE BRASIL tem muito prazer em compartilhar esta versão em português para que nossas crianças possam ter uma atividade divertida durante o isolamento social e depois da Quarentena.

Acesse e baixe o livro clicando aqui. 

Para mais informações: www.lifebookforyouth.com
Contato: info@lifebookforyouth.com
Siga (Lifebook for Youth) nas mídias sociais e
compartilhe suas experiências! #myquarantinebook #lifebook

porFICE Brasil

UNESCO – Três maneiras de planejar a equidade durante o fechamento das escolas devido ao COVID-19

Matéria original: acesse aqui.

Postado em 25 de março de 2020 por GEM Report.

Tradução livre do original: Three ways to plan equity during the coronavirus school closures

Stefania Giannini

Diretora Geral Adjunta de Educação da UNESCO

Suzanne Grant Lewis

Diretora da UNESCO-IIEP

Desde o fechamento de escolas e o confinamento em casa até a proibição de viajar, países e municípios estão intensificando os esforços para retardar a disseminação do novo coronavírus, o COVID-19. Para a educação, as ramificações resultaram em um número recorde de crianças, jovens e adultos que não frequentam escolas ou universidades.

A UNESCO estima que, em 24 de março, 138 países  fecharam escolas em todo o país, impactando mais de  1,3 bilhão de crianças e jovens . Outros 11 países  implementaram fechamentos de escolas em alguns locais. Nas semanas seguintes, isso criará grandes desafios em torno da equidade: como os alunos mais vulneráveis ​​se sairão quando as escolas estiverem fechadas?

 

Compreensão dos riscos de fechamento de escolas para os mais vulneráveis

As autoridades de saúde de todo o mundo consideram necessário o fechamento das escolas no contexto desse vírus que se espalha rapidamente, tanto para retardar a propagação da doença quanto para mitigar os efeitos nos sistemas de saúde que não serão capazes de lidar com um número potencialmente massivo de pacientes gravemente enfermos. Em alguns contextos, o confinamento está se tornando não apenas um ato de solidariedade civil, mas uma medida imperativa para proteger a saúde pública.

No entanto, o confinamento e o fechamento de escolas geralmente têm consequências a longo prazo, especialmente para os mais vulneráveis ​​e marginalizados, aumentando as disparidades já existentes no sistema educacional. Além das oportunidades perdidas de aprendizado, muitas crianças e jovens perdem o acesso a refeições saudáveis ​​e estão sujeitas a estresse econômico e social.

 

Planejando o fechamento das escolas com atenção à equidade

É essencial levar em consideração os riscos de exacerbar disparidades, e já existem lições da crise global do COVID-19:

1) Combater a exclusão digital

Como muitos sistemas escolares estão oferecendo modalidades de aprendizagem online enquanto as escolas estão fechadas, é imperativo combater a brecha digital para avançar. Isso inclui analisar questões relacionadas ao acesso, preparação dos professores e comunicação entre a escola e a família. Antes e depois do encerramento da escola, as parcerias público-privadas podem ajudar a garantir que todos os alunos tenham acesso à tecnologia da informação ou a modalidades de rádio e televisão que também são relevantes em alguns contextos e que foram usadas com sucesso em situações de crise.

Treinar professores para usar sistemas de gerenciamento de aprendizado digital e pedagogia de aprendizado online – antes das crises – é essencial para a transição para uma modalidade de aprendizado online durante um período de crise. No entanto, para professores que se encontram em território desconhecido, pode ser organizada uma breve sessão de treinamento transmitida ao vivo. Estabelecer linhas de comunicação entre professores e pais antes das crises e mantê-las à medida que as crianças aprendem em casa também é essencial para apoiar as crianças com maior risco.

2) Garantir refeições saudáveis ​para além das escolas

Soluções para alcançar estudantes que dependem de refeições escolares também são importantes. Muitas lições podem ser fornecidas no blog que a UNESCO escreveu ontem sobre as abordagens de diferentes países. As estratégias podem incluir a mobilização de ônibus escolares para fornecer refeições na escola e o estabelecimento de parcerias com serviços de entrega de alimentos. Trabalhar com as autoridades de nutrição e administração para fornecer refeições diárias preparadas que podem ser distribuídas via drive-thru ou walk-up é outra solução inventiva usada atualmente em San Diego, Estados Unidos.

3) Planejar soluções de aprendizado inclusivas

As autoridades educacionais também devem ter um cuidado especial ao planejar as diversas necessidades de todos os alunos durante o fechamento da escola. Isso é fundamental para os alunos com dificuldades de aprendizado, que podem ter dificuldades para trabalhar de forma autônoma e à distância. Pode ser desejável manter oportunidades mínimas para a aprendizagem em sala de aula, com pequenos grupos de alunos com necessidades especiais. Também pode ser necessário fornecer aprendizagem online individual direta por meio de check-ins diários com professores e videoconferência com outros alunos, assim como o fornecimento de recursos para pais e cuidadores que assumem o papel de professor durante o fechamento da escola.

O apoio da UNESCO aos governos ao implementar o fechamento de escolas

A UNESCO fornece orientação para apoiar os sistemas educacionais durante essa crise, à medida que passam da aprendizagem tradicional para a digital e fornece recursos educacionais digitais gratuitos e um repositório de plataformas nacionais de aprendizagem projetadas para apoiar a continuidade do estudo baseado em currículo. Mais informações sobre a resposta da UNESCO à crise do COVID-19 estão disponíveis aqui.  

Por meio do Instituto Internacional de Planejamento Educacional (IIEP), ele também fornece às autoridades educacionais cooperação técnica para um planejamento sensível a crises. Isso pode ajudar a enfrentar todos esses desafios relacionados à oferta equitativa de educação em tempos de crise. Esse planejamento não apenas ajuda a salvar vidas; ele pode reduzir os custos de recuperação, já que funcionários e parceiros da educação antecipam riscos e agem com antecedência.

No entanto, esse planejamento não deve ficar parado com correções de curto prazo. Deveria avançar para uma prática sistemática de prevenção e preparação para crises. Para os sistemas escolares, isso significa não apenas responder aos desafios do dia, mas também trabalhar para impedir, antecipar, mitigar e se recuperar de crises, tanto na educação quanto através dela.

porFICE Brasil

Cuidando das emoções: Ajudando seu filho em tempos de crise

Cuidar das emoções das crianças e dos adolescentes que estão em família e fora dela é essencial. Em tempos de crise a assistência e a promoção da saúde mental incluem ações que possam diminuir os sentimentos de medo, insegurança e ansiedade com interações responsivas e lúdicas que renovem o direito ao brincar a a segurança afetiva.

Esta cartilha traz orientações sobre estratégias de regulação emocional na infância em momentos de crise. De
forma prática e objetiva descreve situações desafiadoras do dia a dia associando a informações educativas sobre
cada uma das emoções e o que fazer para sua melhor regulação.

Acesse a cartilha completa clicando aqui ou na imagem.

 

porFICE Brasil

CONVOCAÇÃO

CONVOCAÇÃO

Para crianças e adolescentes

SONHOS E HISTORIAS DE QUARENTENA

  A ONG – Corporação de Promoção e Apoio à Criança Paicabí é uma instituição não governamental e sem fins lucrativos localizada em Viña Del Mar, no Chile, cuja  missão institucional é a promoção, proteção e defesa das crianças no âmbito da Convenção Internacional dos Direitos da Criança.

Em seu trabalho, a ONG Paicabí aborda as mais graves violações de direitos que afetam meninos e meninas, sendo sua principal preocupação criar uma plataforma de trabalho e ação contra maus-tratos, abuso sexual, exclusão social e exploração sexual comercial que afeta crianças e jovens.

Para isso, Paicabí realiza intervenções especializadas e ações promocionais no campo dos direitos da criança e do adolescente e também com a geração de conhecimento tendo a arte e a cultura como tema transversal.

Estamos vivendo uma situação de isolamento social no país e no mundo por causa de uma pandemia, isto é, quando uma epidemia se alastra por todos os continentes.

Convidamos meninos, meninas e adolescentes a relatar histórias do que estão vivendo em suas casas ou nos serviços de acolhimento em relação ao distanciamento de seus amigos e da escola.

  • O relato deve conter um pequeno texto e um desenho- ou pintura numa única folha.
  • Ao terminar, deve ser fotografado ou escaneado para que possa ser enviado de forma digital
  • Os trabalhos serão publicados num álbum digital em nosso site e redes sociais.

FORMATO

Extensão: Uma folha  (carta, oficio).

PARTICIPANTES

Podem participar todas os meninos, meninas, adolescentes e jovens menores de 18 anos residentes no Chile ou em outros países, como o Brasil.

ENVÍO

O prazo de envio é o dia 30 de abril..

Os relatos devem ser enviado em formato digital (formato Word, jpg, pdf, etc) ao correio eletrônica ( email: arteycultura@paicabi.cl)

O texto do email deve conter:

Dados da criança, adolescente ou jovem

  • Nome:
  • Idade:
  • …….. Cidade…………..
  • Bairro onde mora: …………
  • País:
  • Título do relato:

 

ORGANIZAÇÃO RESPONSÁVEL:

ONG Paicabi

https://paicabi.cl

CONSULTAS Y CONTACTO

Christian Carrillo Cáceres.

Encargado de Arte y Cultura de ONG Paicabi.

Correo electrónico: c.carrillo@paicabi.cl

 

 

porFICE Brasil

Biblioteca Digital Crescer Sem Violência

 A Biblioteca Digital Crescer Sem Violência fornece subsídios para a Formulação de Políticas Públicas para a Infância e Adolescência. É uma iniciativa do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) em parceria com a Associação dos Pesquisadores dos Núcleos de Estudos e Pesquisa sobre a Criança e o Adolescente (NECA). Visite ainda hoje a Biblioteca e veja a seleção de guias, vídeos e publicações selecionadas nos temas: Trabalho infantil, Violência contra a criança e o adolescente, Acolhimento Institucional e Familiar, Atendimento socioeducativo, Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, conselho Tutelar e Ações de prevenção e atuação nas situações de desastres.

Veja tudo isto no link: http://bibliotecacrescersemviolencia.org/